Destinos

Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias

morro do pai inacio chapada diamantina viajadora

Com mais de 30 mil quilômetros de área e composta por 24 municípios,  a Chapada Diamantina tem atrações para entreter os visitantes por pelo menos um mês. Por isso, qualquer roteiro de apenas cinco dias vai ser incompleto e deixar muita coisa legal de fora. Mas como nem sempre temos tanto tempo para viajar como gostaríamos, às vezes é preciso dar um jeito de fazer o máximo possível no pouco tempo disponível. Foi o que fizemos quando vimos uma promoção de passagens aéreas e resolvemos aproveitar para conhecer pelo menos um pouco da Chapada Diamantina.

Teríamos 7 dias de viagem, sendo que dois deles gastos nos percursos de ida e volta, com os voos Rio-Salvador-Rio e cerca de 5 horas de carro de Salvador até Lençóis, nosso primeiro destino. Os outros 5 dias restantes foram decididos com muita pesquisa (e disciplina militar da Mari) para que visitássemos todas as atrações principais (mais famosas e bonitas). E assim surgiu nosso roteiro, que deu bem certo, apesar da correria. Aí vão as dicas:

1° Dia – Lençóis, Gruta da Pratinha, Gruta Azul e Morro do Pai Inácio

primeiro dia roteiro chapada diamantina viajadora Lençóis Gruta da Pratinha  Gruta Azul e Morro do Pai Inácio

Chegamos em Lençóis após um longo dia de viagem desde o Rio, e foi ótimo ver o quanto a cidade é bonitinha. Ficamos na Estalagem do Alcino, famosa pelo café da manhã eleito “o melhor do Brasil” pelo Guia Quatro Rodas, o que fez com que as primeiras duas horas úteis do dia fossem dedicadas à função de comer até passar mal degustar essa refeição deliciosa.

Dirigimos por cerca de uma hora até a Lagoa da Pratinha, com águas de um verde-claro quase caribenho perfeitas para relaxar ou fazer tirolesa e flutuação na Gruta da Pratinha. Na mesma área também está a Gruta Azul, com um lago subterrâneo especialmente bonito em junho e julho, quando os raios de sol incidem em toda a superfície da água.

Almoçamos no restaurante da propriedade e seguimos para o Morro do Pai Inácio, de onde se tem a vista mais imponente da Chapada, com as montanhas que a tornaram tão famosa. De lá fomos para o Vale do Capão, após mais ou menos uma hora de carro, onde nos hospedamos na pousada Tatu Feliz.

As informações completas sobre esse dia, com fotos e custos, você encontra nos posts Estalagem do Alcino: experimentando o melhor café da manhã do Brasil e Roteiro pela Chapada Diamantina: Gruta da Pratinha, Gruta Azul e Morro do Pai Inácio.

2° dia – Vale do Capão e Cachoeira da Fumaça

segundo dia roteiro chapada diamantina viajadora Vale do Capão e Cachoeira da Fumaça

Fomos cedo para a Associação de Condutores de Viajantes do Vale do Capão (ACV-VC), onde contratamos um guia para nos levar até a Cachoeira da Fumaça, uma queda d’água magnifica de 380 metros de altura. Foram quatro horas de caminhada (ida e volta), que valem a pena pela paisagem do alto da montanha.

Aproximadamente às 16h, seguimos o conselho do Chico, nosso guia, e fomos almoçar a galinha caipira do restaurante Boa Vista, no povoado de Conceição dos Gatos, lá perto. Foi apenas uma das melhores refeições que já fiz e recomendo para qualquer um que passar pela região. Uma coisa bem legal de lá é a possibilidade de fazer o pedido e aguardar numa cachoeira próxima enquanto a comida é preparada, um dos programas que mais gostamos na viagem. (Você pode ler mais sobre isso no post A melhor galinha caipira da Bahia)

De pança cheia e felizes, seguimos em estrada de chão por três horas até Mucugê, onde chegamos às 22h na Pousada Mucugê.

Informações completas sobre esse dia, com fotos e custos, no post Roteiro pela Chapada Diamantina: Cachoeira da Fumaça e Mucugê.

3° dia – Cachoeira do Buracão

terceiro dia roteiro chapada diamantina viajadora Cachoeira do Buracão

Acordamos cedo e fomos para a cidade de Ibicoara, em uma viagem de duas horas para encontrar com o Luciano, o guia muito bem recomendado que nos hospedaria pelas próximas duas noites e nos levaria para conhecer as cachoeiras do Buracão e da Fumacinha. Na cidade, compramos água e comida para levar nas trilhas e depois seguimos direto para o Parque Municipal do Espalhado, para fazer a trilha da Cachoeira do Buracão.

Caminhada light, chegamos no Buracão em apenas uma hora. E que surpresa: a cachoeira e seus arredores, com cânions formando o “buraco” que abriga a queda d’água, são tão grandiosos e imponentes que a gente fica até emocionado quando chega lá. Foi a atração que mais gostei, e demos a sorte de não ter mais ninguém lá quando chegamos, então ficou aquilo tudo só pra gente, inesquecível. De lá fomos a outras cachoeiras do parque e a um ponto bem em cima da queda d’água do Buracão, para vermos tudo de outro ângulo.

Encerramos o dia com um jantar típico caprichado feito pela Tâmara, esposa do Luciano, e dormimos cedo porque a caminhada do dia seguinte seria longa.

Informações completas sobre a visita à cachoeira do Buracão, com fotos e custos, nos posts Roteiro pela Chapada Diamantina: Cachoeira do Buracão

4° dia – Cachoeira da Fumacinha

quarto dia roteiro chapada diamantina viajadora Cachoeira da Fumacinha

Saímos antes das oito para iniciar a trilha cedo, já que seriam cerca de nove horas de caminhada no total (ida e volta, totalizando 18km). Estávamos apreensivos em relação a essa trilha, que todo mundo falou ser puxadíííííssima, mas que bela surpresa foi ver que, na verdade, era um caminho muito agradável pelas pedras às margens do rio, sem subidas e com lindas paradas para descansar e apreciar a vista, nem de longe tão cansativo quanto imaginamos.

Caindo de uma altura de 100m em meio a uma caverna, a Fumacinha e seus arredores parecem um templo, com uma beleza e silêncio quase místicos, onde só se ouvia o barulho da queda d’água. Andaria mais cem horas para chegar se fosse preciso, lindo demais!

Chegamos em casa esfomeados e felizes para mais um jantar delicioso da Tâmara. Nossa convivência com o casal e a experiência na casa deles foi um dos pontos altos da viagem e está descrita com mais detalhes aqui no post Onde ficar na Chapada Diamantina: Abrigo do Mato.

Informações completas sobre a visita à cachoeira da Fumacinha, com fotos e custos, no post Roteiro pela Chapada Diamantina: Cachoeira da Fumacinha .

5° dia – Poço Encantado e Poço Azul

quinto dia roteiro chapada diamantina viajadora poço encantado e poço azul

Da casa do Luciano, dirigimos cerca de uma hora até o Poço Encantado, um poço lindo em uma caverna. A incursão até lá é guiada e em grupo, e sai do restaurante na entrada da propriedade. Como não é possível entrar na água, dura só meia hora, por isso, logo depois dirigimos mais cinquenta minutos até o Poço Azul, esse sim sensacional, porque deixam fazer mergulho com snorkel em um ambiente que parece cenário de filme. Ambos os poços ficam em propriedades privadas e é preciso pagar entrada, mas vale a pena.

Almoçamos muito em um dos dois restaurantes da propriedade, o APA, e depois seguimos estrada por pouco mais de três horas até a cidade de Igatu, conhecida como a “Machu Pichu Brasileira” por suas formações de pedras e algumas ruínas. Nos hospedamos na pousada Flor de Açucena, muito boa, e no dia seguinte fomos cedo direto para Salvador, onde precisávamos chegar até as 16h para devolver o carro no aeroporto e pegar o voo de volta.

Informações completas sobre essas atrações, com fotos e custos, nos posts Roteiro pela Chapada Diamantina: Poço Encantado e Poço Azul e Onde ficar na Chapada Diamantina: Pousada Flor de Açucena em Xique-Xique de Igatu.

Impressões sobre a viagem e o roteiro Chapada Diamantina

O período foi meio cansativo pelo fato de quase todos os dias viajarmos para outra cidade à noite e sairmos cedo no dia seguinte para outro lugar. Senti falta de algo que adoro, que é conhecer melhor as cidades, aquela coisa simples de sentar num bar e ver a vida passar, andar pelas ruas, olhar as lojas… Mas como as principais atrações na Chapada Diamantina são as trilhas e cachoeiras, a correria valeu a pena. E embora eu defenda viagens espontâneas, sem reservas nem roteiros rígidos, este roteiro é uma exceção, já que a ideia era otimizar o tempo ao máximo.

Alugar um carro foi essencial: seria impossível fazer tudo tão rápido de transporte público. E valeu pagar um pouco mais por um modelo 1.6, já que as estradas ou são cheias de caminhões e é preciso ultrapassar constantemente, ou são de terra e esburacadas, então um carro mais potente é melhor, apesar de gastar mais combustível. Ah, e uma dica legal: como era o mês do aniversário do Daniel, responsável pelo aluguel, ganhamos uma diária de brinde na Movida (a locadora mais barata que achamos). Se esse for seu caso, vale pedir a cortesia! Nós fizemos a busca e fechamos o aluguel do carro através do site Rental Cars, que pesquisa entre todas as locadoras, o melhor preço, dentro da busca. Bem legal!

Em relação à melhor época, recomendo fortemente ir fora da alta temporada, se possível, já que a Chapada enche bastante em períodos como carnaval e réveillon, e imagino que isso deve atrapalhar bastante ir nas cachoeiras e trilhas. Fomos na primeira quinzena de fevereiro e, como o carnaval só seria no fim do mês, era baixa temporada lá, por isso não só tivemos sossego como, também, conseguimos descontos e ótimos preços. Acho que a experiência teria sido muito diferente (e inferior) se tudo estivesse lotado por lá. Demos sorte também com o clima, ensolarado todos os dias.

Gasto Total na Viagem

Os preços na Chapada Diamantina em geral são bem tranquilos e, por isso, é possível gastar bem pouco e fazer uma viagem incrível. Abaixo vai um resumo dos gastos totais da viagem por pessoa (éramos 4 no total). Os custos detalhados estão nos posts de cada dia de viagem.

  • Dia da chegada: R$ 60,00 (Almoço na estrada + jantar em Lençóis – Dia de viagem de avião e carro)
  • Dia 1: R$ 111,50
  • Dia 2: R$ 161,80
  • Dia 3: R$ 118,00
  • Dia 4: R$ 169,00 (pernoite na casa do Luciano e Guia para a Fumacinha)
  • Dia 5: R$ 112,00
  • Dia de ir embora: R$ 40,00 (Comida na estrada – Dia de viagem carro + avião)
  • + Aluguel de carro (7 dias): R$ 166,25
  • + Gasolina (7 dias): R$ 110,00
  • + Passagem de avião Rio-Salvador-Rio: R$ 200,00 (conseguimos uma super promoção da Gol)

Gasto total por pessoa: R$ 1.248,55

* valores gastos na viagem em fevereiro/2014


-> Vai viajar e precisa alugar um carro? Pesquise aqui o melhor preço.


-> Pra quem não quiser fazer tudo por conta própria, o pessoal do Desviantes oferece pacotes completos pela Chapada Diamantina, e também pode criar um roteiro personalizado pra você.


Outros posts sobre a Chapada Diamantina:

Estalagem do Alcino: experimentando o melhor café da manhã do Brasil

Roteiro pela Chapada Diamantina: Gruta da Pratinha, Gruta Azul e Morro do Pai Inácio

A galinha caipira mais gostosa da Bahia

Roteiro pela Chapada Diamantina: Cachoeira da Fumaça e Mucugê

Roteiro pela Chapada Diamantina: Cachoeira do Buracão

Roteiro pela Chapada Diamantina: Cachoeira da Fumacinha 

Onde ficar na Chapada Diamantina: Abrigo do Mato

Roteiro pela Chapada Diamantina: Poço Encantado e Poço Azul

Onde ficar na Chapada Diamantina: Pousada Flor de Açucena em Xique-Xique de Igatu


Tags:

24 comentários

  1. […] Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias […]

  2. […] Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias […]

  3. […] Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias […]

  4. […] Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias […]

  5. […] Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias […]

  6. […] Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias […]

  7. […] Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias […]

  8. […] Chapada Diamantina: roteiro para ver o máximo possível em 5 dias […]

  9. […] super bem e fazem o tempo render, e as me-lho-res dicas de economia! Quem leu sobre o nosso roteiro pela Chapada Diamantina sabe do que eu estou […]

  10. Boa tarde, você teria o contato do Luciano? Qual o valor da diária para se hospedar e qual o valor que ele cobra como guia? Grato!

    1. Oi, Cássio! Colocamos os contatos do Luciano neste post aqui: http://viajadora.com/new/onde-ficar-na-chapada-diamantina/ . Lá também falamos um pouco mais da nossa deliciosa experiência na casa dele. Os valores atualizados você pode ver diretamente com ele. Os preços que pagamos, e que colocamos no post, são de fevereiro/14. Beijos e qualquer coisa, é só falar! :*

  11. Olá.

    Gostaria de saber se dá pra sair de Ibicoara e chegar nos Lençois (ou no Vale do Capão) após o anoitecer. Vi que fizeram essa parte da viagem à noite (embora em sentido contrário). É tranquilo?

    1. Oi, Carolina,
      Na verdade nós fomos de Lençóis para o Vale do Capão em um dia; do Vale do Capão para Mucugê no outro e em um outro dia fomos de Mucugê para Ibicoara bem cedinho. Acredito que você consiga fazer este trecho direto sim, apesar de ser uma distância bem grande. Nós optamos por ir parando para não ficar tão cansativo. Se você fizer mesmo, conta pra gente o que achou? Seria muito legal ficar sabendo. Beijos e boa viagem!

  12. OLA..

    GOSTEI MUITO DO ROTEIRO … ESTOU QUASE INDO, QUERO IR EM JULHO, SO NAO ENTENDI O VALOR DO ALUGUEL DO CARRO..

    VOCE PODE ME EXPLICAR?
    ALUGOU EM SALVADOR?,, 110 NAO SERIA O VALOR DA DIARIA??? ONDE VOCE ARRUMOU ESSE cARRO??KKK

    1. Oi, Davi,
      Acabei de editar o post, pra deixar mais claro, mas os valores listados são por pessoa. Bom, rodamos a Chapada Diamantina com um carro 1.6 que alugamos lá no aeroporto de Salvador e, durante os 7 dias que dirigimos (foram 6 diárias de aluguel), o valor total gasto em combustível foi R$ 440,00, ou seja, R$ 110,00 por pessoa. O aluguel do carro, por todo o período, ficou em R$ 665,00, ou R$ 166,25 por pessoa. Lembrando que a viagem foi em fevereiro/2014, então os valores podem ter sofrido algum reajuste. Dá uma pesquisada do site da Rental Cars. Lá dá pra pesquisar entre todas as locadoras qual tem o melhor preço. Bem legal!
      Qualquer outra dúvida, é só falar. Bj!

  13. Tb não entendi o valor do carro rs

    1. Oi, Adriana,
      Acabei de responder para o Davi e deixei mais claro no texto do post. Se ficar alguma dúvida, me fala? Beijos! :*

  14. Oi Mariana,

    Como fazer sem carro, sera que fica mais barato ? Obrigado

    1. Oi, Alesson,

      Se você estiver sozinho certamente fazer a viagem de ônibus deve ser mais em conta. Mas se você for com amigos, como nós fomos (éramos 4 no carro), acho que vale a pena a comodidade de ter um carro e fazer seu horário durante a viagem. Infelizmente não sei te ajudar a saber como ir sem carro, mas acho que na internet hoje em dia a gente acha tudo, né? Boa sorte e boa viagem! A Chapada é apaixonante! :** Bjs!

    2. Oi, Alesson,

      Se você for sozinho acredito que ir sem carro seja a opção mais barata sim. Agora, se você for com amigos, como nós fomos (éramos 4), acho que vale a pena pagar pela comodidade de ter um carro para fazer tudo no seu horário. Dividindo os valores podem ficar bem parecidos. Infelizmente não sei te ajudar a saber como fazer para ir de ônibus, mas acho que na internet hoje em dia a gente acha tudo que procura, né? Boa sorte e muito boa viagem! A Chapada é apaixonante! Bjs! :*

  15. Oi Mariana,

    Parabéns pelo Post.É possível visitar todos esse pontos que vc citou e retornar para dormir em Lençóis? ou o melhor mesmo é dormir uma noite em cada cidade? Vc pode me explicar quais as cidades base para cada um dos pontos que você visitou?

    Obrigado

    1. Oi, Eduardo!
      Existem empresas de Lençóis que fazem passeios para todos estes pontos sim, mas isso pode ser bem cansativo, porque algumas atrações (como o Buracão ou a Fumacinha) ficam bem longe. A gente acabou optando por alugar um carro e dormir em várias cidadezinhas pra otimizar o tempo, além de, é claro, conhecer outros lugares da Chapada – e amamos todos!. Não sei se você chegou a ler os outros posts que escrevemos sobre esta viagem (http://viajadora.com/new/?s=chapada+diamantina&lang=pt-br), neles explicamos direitinho o nosso roteiro. Nós dormimos em Lençóis, no Vale do Capão, em Mucugê, no Baixão (na casa do nosso guia, perto de Ibicoara) e em Xique Xique de Igatu. Se ficar com alguma dúvida, é só falar! Beijos e boa viagem! :*

  16. Oi Mariana, Gostei bastante das dicas que você deu no seu roteiro. Irei viajar para lá em 2 semanas. Queria saber sua opinião sobre se é necessário usar bota específica para trilhas, ou se dá pra ir com um tênis confortável.

    Obrigado

    1. Oi, Gustavo! Você vai amar a Chapada! Na minha opinião não é necessário bota especial para trilha não. Nós usamos tênis normal mesmo e funcionou bem! Beijos e boa viagem! :*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *